No Banner to display



TSE informa STF sobre rejeição da candidatura de Acir Gurgacz, que pode ser preso semana que vem

Supremo determinou que senador do PDT inicie cumprimento da pena de 4 anos e 6 meses, mas período eleitoral proíbe prisão, exceto em flagrante. Senador nega irregularidades.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou ao Supremo Tribunal Federal na noite de quinta-feira (4) que manteve a rejeição do registro de candidatura de Acir Gurgacz (PDT) ao governo de Rondônia. Com isso, a expectativa é de uma ordem de prisão contra o senador seja expedida na semana que vem.

Na manhã de quinta, o TSE negou um recurso do atual senador e o proibiu de continuar em campanha.

O aviso enviado depois pelo TSE ao gabinete do relator do caso no Supremo, ministro Alexandre de Moraes, era necessário porque, no dia 25 de setembro, a Primeira Turma do tribunal determinou o início do cumprimento da pena imposta ao senador, de 4 anos e 6 meses, por crimes contra o sistema financeiro.

Mas como ele era candidato ao governo de Rondônia, a lei eleitoral impedia a prisão – é vedada prisão de candidato 15 dias antes da votação.

O Supremo só poderia ordenar a prisão se o TSE rejeitasse o recurso. Com a rejeição confirmada, a Suprema Corte poderia expedir o mandado de prisão do senador. No entanto, desde o dia 2 de outubro e até 17h do dia 7 de outubro nenhum eleitor pode ser preso, exceto em flagrante. Em razão disso, o STF só deve expedir mandado de prisão a partir da noite de terça.

Nesta sexta (5), Gurgacz enviou documento ao Supremo para informar que já recorreu da decisão do TSE ao próprio tribunal eleitoral. O objetivo é impedir uma ordem de prisão contra ele.

Segundo o TRE-RO, as urnas eletrônicas em Rondônia já foram lacradas no dia 24 de setembro. Portanto, o nome de Acir estará disponível, mas seus votos serão computados como nulos.

As acusações
O senador foi barrado nas eleições por conta de condenação determinada pelo Supremo em fevereiro. Segundo a denúncia, entre 2003 e 2004, o senador teria obtido, mediante fraude, financiamento junto ao Banco da Amazônia com a finalidade de renovar a frota de ônibus da Eucatur, empresa de transporte gerida por ele.

De R$ 1,5 milhão liberados para a compra, o senador foi acusado de se apropriar de R$ 525 mil. Com o restante, comprou ônibus velhos, diferentemente do objeto do empréstimo que era a compra de ônibus novos, prestando contas com notas fiscais falsas.

Por Mariana Oliveira , TV Globo

Vejá também

Jaru : “# Gincana de Motos # na Fazenda Dom Diego dia 17 de Novembro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *